sábado, 31 de julho de 2010

Independência e vida

Dia desses, meu chapa, sumo do mapa
Vou pra zaca do lhoraca viver sei lá de quê
Talvez de brisa, não preciso visa para poder entrar "numas"
Tudo é muito pouco,
Sou mais médico que louco
Adoro um sangue, odeio bangue-bangue

Independência e vida
Branca, preta, colorida
Quero mais e menos
E muito melhor

Chega desse nhem, nhem, nhem
Essa coisa nhem, nhem, nhem
Esse papo nhem, nhem, nhem
E essa paz que nunca vem, meu bem

Nhem, nhem, nhem, ou ou ou
Independência e vida

Branca, preta, colorida
Independência e vida

sexta-feira, 30 de julho de 2010

.

"é tão bonito quando a gente vai à vida
nos caminhos onde bate, bem mais forte o coração."

If you need me

E o Solomon Burke, você conhece?


quinta-feira, 29 de julho de 2010

.

"... Sunny, yesterday my life was filled with rain..."

“... O que seria então aquela sensação de força contida, pronta para rebentar em violência, aquela sede de empregá-la de olhos fechados, inteira, com a segurança irrefletida de uma fera? Não era no mal apenas que alguém podia respirar sem medo, aceitando o ar e os pulmões? Nem o prazer me daria tanto prazer quanto o mal, pensava ela surpreendida. Sentia dentro de si um animal perfeito, cheio de inconseqüências, de egoísmo e vitalidade.

Lembrou-se do marido que possivelmente a desconheceria nessa idéia. Tentou relembrar a figura de Otavio. Mal, porém, sentia que ele saíra de casa, ela se transformava, concentrava-se em si mesma e, como se apenas tivesse sido interrompida por ele, continuava lentamente a viver o fio da infância, esquecia-o e movia-se pelos aposentos profundamente só. Do bairro quieto, das casas afastadas, não lhe chegavam ruídos. E, livre, nem ela mesma sabia o que pensava.

Sim, ela sentia dentro de si um animal perfeito. Repugnava-lhe deixar um dia esse animal solto. Por medo talvez da falta de estética. Ou receio de alguma revelação... “Não, não – repetia-se ela – é preciso não ter medo de criar...”

Perto do coração selvagem - C.L

I will survive



At first I was afraid, I was petrified
I kept thinking I could never live without you by my side
But then I spent so many nights just thinking how you've done me wrong
I grew strong, and I learned how to get along
And so you're back, from outter space
I just walked in to find you here with that sad look upon your face
I should've changed my fucking lock, I would've made you leave your key
If I had known for just one second you'd be back to bother me.
Go, now go, walk out the door, just turn around now, you're not welcome anymore
Weren't you the one who tried to break me with desire?
Did you think I'd crumble? Did you think I'd lay down and die?

Oh no not I,
I will survive
Yeah
As long as I know how to love, I know I'll be alive
I've got all my life to live
I've got all my love to give
I will survive,
I will survive
Yeah, yeah


It took all the strength I had just not to fall apart
I'm trying hard to mend the pieces of my broken heart
And I spent so many nights just feeling sorry for myself
I used to cry, but now I hold my head up high
And you see me, with somebody new
I'm not that stupid little person still in love with you
And so you thought you'd just drop by and you expect me to be free
But now I'm saving all my lovin' for someone who is lovin' me


Go, now go,
Walk out the door
Just turn around
Now, you're not welcome anymore.

Weren't you the one who tried to break me with desire?
Did you think I'd crumble?
Did you think I'd lay down and die?


Oh.. not I..

I will survive.

Pesquisar este blog